02/01/2023

Vaginose bacteriana: saiba o que é e que conheça os sintomas | DYÔ

VAGINOSE BACTERIANA: SAIBA O QUE É E CONHEÇA OS SINTOMAS

Segundo a matéria publicada na PEB MED, a vaginose bacteriana é a causa mais comum de corrimento vaginal em mulheres na idade reprodutiva, responsável por 40 a 50% dos casos.

Na matéria de hoje, a DYÔ, quer te contar um pouco mais sobre essa infecção e ressaltar a importância do diagnóstico para um tratamento adequado. Vamos lá?

 

O QUE É VAGINOSE BACTERIANA?

A vaginose bacteriana é uma infecção muito comum que ocorre na área genital feminina, causada pela bactéria Gardnerella Vaginalis. Essa infecção não é considerada uma doença sexualmente transmissível, já que algumas das bactérias responsáveis por essa infecção podem ser encontradas habitualmente no ser humano.

Contudo, o contágio pode ocorrer durante o contato íntimo ou relação sexual. Se você tem corrimento genital saiba que essa é a causa mais comum desse desconforto, sendo a segunda causa de candidíase.

 

O QUE ACONTECE COM O CORPO QUANDO HÁ VAGINOSE BACTERIANA?

Essa infecção gera um desequilíbrio da flora vaginal. Isso faz com que a concentração de determinadas bactérias aumente. Hoje, a Vaginose Bacteriana “é considerada uma proliferação maciça de uma flora mista, que inclui Gardnella Vaginallis, Peptoestreptococcus e Micoplasma hominis”.

Durante a menstruação, a Vaginose causa um odor desagradável e forte, pois é nesse período, que a ação das bactérias aumenta. Essa infecção afeta principalmente mulheres que estão na idade reprodutiva.

 

QUAIS SÃO OS SINTOMAS?

Os sintomas da vaginose bacteriana incluem:

Corrimento branco - acinzentado;

Odor fétido.

Vale ressaltar que essa doença não apresenta caráter inflamatório, ou seja, só pode ser reconhecida através dos sintomas acima. Mesmo assim, é necessário que a infecção não seja ignorada, já que seu não tratamento pode desencadear endometrites e salpingites (inflamação das trompas).

 

COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO E QUAL O TRATAMENTO?

O diagnóstico da vaginose bacteriana se dá pela descrição dos sintomas ao médico e um exame ginecológico, no qual o ginecologista nota se há alteração do conteúdo vaginal (daí a importância de realizar seus exames de rotina). Após esse primeiro exame clínico, o médico pode solicitar um exame de laboratório, como é o caso do Papanicolau. 

Esse exame preventivo, em que é realizada a coleta de células da vagina e do colo por uma raspagem, tem o objetivo de rastrear a presença de lesões precursoras do câncer de colo uterino. Entretanto, também pode ajudar a dar o diagnóstico de outras doenças como a vaginose bacteriana.

Após a confirmação do diagnóstico de vaginose bacteriana, o tratamento deve ser iniciado por meio da utilização de antibióticos em doses prescritas pelo ginecologista, os quais podem ser administrados pela via oral ou vaginal durante sete dias. 

Sendo assim, o tratamento da vaginose bacteriana deve ser realizado da forma correta para garantir a cura e não pré-dispor o organismo a outras infecções genitais.

 

COMO PREVENIR?

• Use preservativo durante a relação sexual;

• É importante que tanto você, quanto o seu parceiro, visitem regularmente o ginecologista e urologista para exames de rotina;

Dê atenção à higiene íntima: depois de urinar, limpe a vulva de frente para trás (para evitar trazer as bactérias do ânus para a vagina), e evite fazer duchas vaginais e utilizar bidês.

As informações desta matéria foram retiradas do link: https://www.gineco.com.br/saude-feminina/doencas-femininas/vaginose-bacteriana