31/08/2022

Tudo o que você precisa saber sobre a cistite de lua de mel em 5 minutos! | DYÔ

TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE A CISTITE DE LUA DE MEL EM 5 MINUTOS!

A cistite de lua de mel acomete cerca de 60% das mulheres com vida sexual ativa. Isso porque, além da anatomia do corpo feminino favorecer essa condição, ainda existem alguns fatores que podem contribuir para o surgimento dessa infecção. 

Calma! A cistite de lua de mel não tem nada a ver com falta de higiene ou IST 's. Continue lendo para saber mais.

 

O QUE É CISTITE DE LUA DE MEL?

A cistite de lua de mel é o nome popular para a cistite pós-coito, uma inflamação que acomete a uretra e a bexiga, após uma relação sexual. Ela nada mais é do que um quadro de infecção urinária que surge de 24 a 48 horas após a relação sexual e assim como outros quadros de cistite, é muito mais comum em mulheres do que em homens.

Vale ressaltar que a cistite pós-coito não é uma IST (infecção sexualmente transmitida) e muito menos tem relação com falta de higiene íntima, seja ela de quem sofre ou do parceiro. 

Ela só aparece depois do coito pois as relações sexuais facilitam seu surgimento, mesmo que essa não seja sua causa direta.

 

QUAIS SÃO OS SINTOMAS?

A cistite surge a partir de uma bactéria que já vive no nosso intestino, a Escherichia coli (E.coli) - geralmente, a principal responsável pelas infecções urinárias comuns. Essa bactéria é conhecida por viver em harmonia com o nosso organismo, o problema é quando ela consegue se instalar fora dele, como na bexiga, por exemplo, é aí que começam os sintomas incômodos da cistite. Normalmente eles incluem:

Vontade de urinar mais que o habitual;

Quantidade de urina bem menor que o normal e em alguns casos, ela nem aparece;

Dor ao urinar;

Ardência ao urinar;

Presença de sangue na urina.

 

COMO TRATAR A CISTITE DE LUA DE MEL?

O diagnóstico é feito através da análise dos sintomas e normalmente é notada pela própria paciente. Em alguns casos, o médico ainda pode pedir exames de urina tipo 1 com bacterioscopia e cultura de urina para identificação da bactéria e se necessário, realizar a introdução de antibioticoterapia adequada para o grau da infecção.

 

É POSSÍVEL EVITAR ESSA CISTITE?

Mas além disso, existem algumas dicas que podem ajudar a aliviar o desconforto dos sintomas como:

Beber mais água

Não tenha medo da ida ao banheiro. Hidratar-se com mais frequência vai aliviar a dor ao urinar já que, além das idas ao banheiro com mais frequência poderem gerar desidratação, é muito melhor ter o que expelir - acredite, o desconforto é bem maior quando não há nada para sair, isso porque o aumento do número de micções dificulta a colonização da bexiga pelas bactérias.

Urinar depois das relações

"Urinar depois da relação sexual pode auxiliar a lavar o canal, reduzindo as chances dessas bactérias subirem" — diz o ginecologista, que integra a diretoria da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Rio Grande do Sul (Sogirgs).

Evitar roupas íntimas molhadas

Principalmente no verão, é comum que a região íntima fique ainda mais quente e úmida, o que é o ambiente perfeito para a proliferação de fungos. Por isso, evite usar calças muito apertadas, procure não permanecer com o biquíni molhado por muito tempo e tente dormir sem calcinha.

Banhos de assento pode ajudar

Fazer banhos de assento pode aliviar o desconforto por algum tempo. Isso porque a água morna aliada a ervas e extratos com componentes anti-inflamatórios e calmantes, ajudam no combate da infecção.

O banho de acento pode ser feito apenas com água morna ou com adição de alguns componentes, os mais indicados para a cistite e infecções urinárias são:

Camomila;

Barbatimão;

Sândalo.

 

Atenção: as dicas citadas acima servem apenas para aliviar os sintomas e nenhuma delas substitui o tratamento médico. Sempre consulte um especialista.

 

 

A cistite de lua de mel é um nome popular dado a cistite pós-coito, uma inflamação que acomete a uretra e a bexiga, após uma relação sexual. 

Essa inflamação acontece depois que a bactéria Escherichia coli (E.coli), que vive no nosso intestino, é levada ao trato urinário através da relação sexual, gerando sintomas como: vontade de urinar mais frequente que o habitual, quantidade de urina bem menor que o normal (sendo que em alguns casos, ela nem aparece), dor ao urinar, ardência ao urinar eou presença de sangue na urina.

Essa é uma infecção muito comum em mulheres e pode ser evitada com ações como: urinar depois das relações sexuais, evitar o uso de roupas muito justas, não usar roupas intimas (como biquinis) molhados por muito tempo.

Achou este artigo útil? Compartilhe com a sua amiga DYÔ que também precisa saber disso!