20/01/2022

Malefícios dos anticoncepcionais

SAIBA QUAIS SÃO OS MALEFÍCIOS DOS ANTICONCEPCIONAIS

Existem diversos métodos contraceptivos no mercado e muitas mulheres os utilizam não exclusivamente para evitar a gravidez. Algumas usam para diminuir a acne, reduzir o fluxo e diminuir dores menstruais. Mas será que todos eles só trazem benefícios à saúde da mulher? Neste artigo, separamos os métodos contraceptivos mais usados, suas vantagens e os malefícios dos anticoncepcionais para a sua saúde.

 

O QUE SÃO ANTICONCEPCIONAIS?

Os anticoncepcionais são pílulas (comprimidos) capazes de inibir a ovulação. Isso acontece porque esse tipo de medicamento possui uma combinação de hormônios, normalmente, estrogênio e progesterona artificiais, que são responsáveis por esse processo. Além disso, o anticoncepcional que é ingerido oralmente também é capaz de modificar o muco cervical - um dos principais componentes dos fluidos vaginais - da mulher, tornando-o mais “agressivo” ao espermatozoide.

 

QUAIS SÃO OS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS?

Existem diversos métodos contraceptivos disponíveis no mercado e alguns deles gratuitamente. Mas nem sempre eles atendem as necessidades de todas as mulheres, por isso, separamos uma lista com os principais métodos anticoncepcionais, suas vantagens e desvantagens.

 

Pílula anticoncepcional

Um dos métodos mais comuns e conhecidos. A pílula anticoncepcional é  um medicamento ingerido oralmente, seu efeito se dá, pois no comprimido estão presentes hormônios que se assemelham aos que são produzidos naturalmente pelos ovários. Podendo ter a combinação de estrogênio e progestogênio ou apenas o segundo hormônio. Dessa forma, atua impedindo que ocorra a ovulação. 

Esse método é acessível para mulheres com idade reprodutiva ativa e não fumantes (o uso do anticoncepcional, principalmente por mulheres fumantes pode aumentar os riscos de trombose).

Seu uso é diário e deve-se ingerir um comprimido por dia até  finalizar a cartela, sempre no mesmo horário, totalizando 21 dias. Ao fim da cartela, deve-se fazer então uma pausa de 7 dias, que é quando ocorre a menstruação, e iniciar uma nova cartela no oitavo dia da pausa, independente da menstruação.

Vantagens e desvantagens

A pílula anticoncepcional tem como vantagens: Evitar a gravidez indesejada, prevenir o organismo de doença inflamatória pélvica, cistos ou até mesmo câncer de ovário. Em casos de fluxo em excesso, esse método contraceptivo proporciona a redução do fluxo e cólicas menstruais. Além disso, em alguns casos pode ajudar a melhorar a acne embora seu uso não seja indicado somente para este fim. 

Dentre suas desvantagens está uma lista, bem grande por sinal, de efeitos colaterais como: náuseas, dores nos seios, aumento de peso, alterações de humor, diminuição da libido, dentre outros.

 

Implante anticoncepcional

A aplicação desse método consiste no implante de um pequeno bastão sob a pele da paciente, localizada na parte inferior do braço. O tubo é feito de plástico e libera hormônios para a corrente sanguínea. Impedindo assim, a ovulação e a entrada do espermatozoide no útero. 

A aplicação deve ser feita em consultório médico. Trata-se de um procedimento rápido, com anestesia local. O implante anticoncepcional possui eficácia por até três anos, mas também se a paciente optar por sua remoção, pode ser retirado antes desse período. É importante ressaltar que essa retirada só deve ser feita pelo ginecologista.

Vantagens e desvantagens

Dentre as vantagens, o implante anticoncepcional além de prevenir a gravidez também reduz dores abdominais que ocorrem durante todo o período menstrual. Além disso, seu uso também é indicado para mulheres com problemas gastrointestinais ou no sistema nervoso.

Em contrapartida, utilizar este método contraceptivo pode provocar algumas reações como, alterações de humor, náuseas, perdas irregulares de sangue, manchas na pele e dores de cabeça.

 

Dispositivo intrauterino (DIU)

O DIU é um pequeno implante com formato de “T” que pode ser composto por um material de cobre ou de prata. Esse implante é inserido no útero da paciente com o uso de um aplicador especial que o insere na cavidade uterina. O DIU não libera o estrogênio, mas, sim o levonorgestrel que é um tipo de progesterona sintética. 

Vantagens e desvantagens

Mulheres que utilizaram esse método afirmam que houveram reduções significativas das dores durante a menstruação, bem como, a diminuição do sangramento, além de evitar a gravidez.

Dentre as suas desvantagens estão: Dor  ou desconforto no momento do implante, alguns dias após o procedimento e ganho de peso. Além disso, segundo o ginecologista e obstetra Alexandre Pupo, do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo “A presença do DIU dentro do útero pode agir como facilitador de infecção, que é capaz de subir do útero para as trompas e ovários, chamada de doença inflamatória pélvica, além de evoluir para peritonite, infecção abdominal. Daí pode cair na corrente sanguínea e virar uma sepse".

 

Camisinha masculina e feminina

Um dos métodos mais comuns e que menos interferem no organismo.  Usar camisinha previne não só a gradivez como a transmissão de DST 's (doenças sexuais transmissíveis) e IST's (infecções sexuais transmissíveis) Atualmente, existem opções para os homens e para as mulheres.

A camisinha ou o preservativo, deve ser colocada antes de iniciar o ato sexual e, se possível, antes mesmo das preliminares. É necessário colocar o dispositivo com cuidado para que não seja inserido de maneira errada, deixando-o largo, com ar, ou apertado demais. Esses erros podem causar o rompimento do produto.

Vantagens e desvantagens

O preservativo é o método contraceptivo mais comum que existe. Além de ser acessível, pois conta com sua distribuição gratuita em postos de saúde e consultórios médicos, também possui uma variedade de modelos que atendem a cada tipo de necessidade. No caso da camisinha feminina, a probabilidade de ruptura é baixa se comparada à do preservativo masculino. O preservativo feminino ainda garante uma proteção vulvar adicional.

O risco é baixo, mas o preservativo pode se romper durante o coito. Uma das queixas  mais comuns é a redução da sensibilidade, principalmente, masculina, mesmo assim, a lubrificação presente nos próprios preservativos ajudam a diminuir este efeito.

No caso do preservativo feminino, algumas desvantagens contam com a dificuldade de acesso gratuito e de compra, e sua aplicação de maneira correta pode apresentar dificuldades.

 

Diafragma vaginal

Trata-se de um dispositivo flexível feito de borracha, com formato anelar e que tem como objetivo criar uma barreira para impedir que o espermatozóide entre em contato com o óvulo. O diafragma vaginal pode ser inserido até 24 horas antes da relação sexual. 

Esse método contraceptivo deve ter o diâmetro adequado ao tamanho do colo do útero da mulher e, por isso, é necessário que uma consulta com o ginecologista seja realizada para evitar o uso do diafragma errado ou que não seja adequado para a paciente. 

Vantagens e desvantagens

Esse método conta com praticidade pois pode ser usado diversas vezes durante o período de dois anos, desde que o mesmo seja higienizado e armazenado corretamente. Além disso, o diafragma não possui interferência no ato sexual e segundo especialistas, é capaz de diminuir o risco de doença inflamatória pélvica.

O diafragma não previne contra todas as doenças sexuais transmissíveis e apesar de conseguir barrar a gravidez o uso junto ao preservativo, é indicado. Além disso, pode haver necessidade de troca quando houver ganho de peso e também  pode estar associado a uma chance de falha de 10% e irritação vaginal.

 

Anel vaginal

O anel vaginal possui o tamanho de 5 centímetros e conta com um material feito de silicone flexível. Esse método contraceptivo é inserido no canal vaginal e é capaz de liberar hormônios (progesterona e estrogênio) no organismo de maneira gradual. 

Também conhecido como anel anticoncepcional, ele deve ser introduzido todos os meses para que assim, a paciente evite a gestação. Muitas mulheres aderem ao anel vaginal pois além de se tratar de um dispositivo confortável, o mesmo se adapta aos contornos da região com facilidade.

O anel vaginal precisa ser utilizado durante 3 semanas seguidas e, depois desse período, deve ser retirado. Em seguida, é necessário fazer uma pausa de 1 semana, antes de voltar a colocar um novo anel. 

Vantagens e desvantagens

Esse método anticoncepcional é confortável pois por se tratar de um produto feito com material flexível, ele se adapta facilmente ao “corpo” da região. Além disso, possui uma praticidade grande pois só precisa ser trocado uma vez por mês. No organismo, o anel vaginal ajuda a reduzir o ciclo e dores menstruais e não interfere nas relações sexuais.

Dentre as suas desvantagens estão alguns efeitos colaterais, como: Aumento de peso, dores de cabeça, náuseas e surgimento de acne. Ao contrário do preservativo, o anel vaginal não protege contra doenças sexualmente transmissíveis e seu uso não é indicado para mulheres que possuem problemas no fígado ou hipertensão.

 

Anticoncepcional injetável

O anticoncepcional injetável age de maneira semelhante à pílula, pois é inserida a mesma quantidade diária de hormônios no organismo. O que muda, é sua aplicação e seu  tempo de administração entre as doses. Esse método é aplicado com uma seringa de forma mensal ou a cada três meses. 

Sua aplicação pode ser feita apenas por um profissional da saúde.

Vantagens e desvantagens

O anticoncepcional injetável além de possuir um tempo de duração maior que a pílula anticoncepcional, não exige controle diário ou semanal. Esse método evita a gestação e reduz o fluxo e dores menstruais.

As desvantagens contam com dificuldade com o retorno da fertilidade: ao encerrar seu uso, caso a mulher opte por engravidar, o  retorno da fertilidade pode demorar até um ano. Mulheres que usam o anticoncepcional injetável também podem apresentar dores de cabeça, náuseas, aumento de peso e sensibilidade mamária.

 

Laqueadura ou Vasectomia

A laqueadura e a vasectomia são procedimentos e métodos contraceptivos cirúrgicos que anulam, de maneira definitiva, o contato de espermatozóides e óvulo. A laqueadura, trata-se de um corte feito nas tubas uterinas, ou conhecidas como trompas de falópio. Já na vasectomia, os canais deferentes são cortados para evitar a ida dos espermatozoides até a vesícula seminal.  

No caso da laqueadura,  as vantagens contam com uma contracepção eficaz e permanente, ausência de hormônios no organismo feminino e baixo risco de complicações. É uma cirurgia acessível e que pode ser realizada gratuitamente através do SUS (Sistema Único de Saúde).

Porém, é importante enfatizar que a laqueadura não protege contra DST 's, e caso haja arrependimento, não é possível reverter o procedimento. Existe ainda a possibilidade de gravidez ectópica - Gestação em que o óvulo fertilizado é implantado fora do útero.

Já a vasectomia trata-se também de um procedimento simples já que o paciente não precisa ser internado. A cirurgia é fácil, indolor e apenas em alguns casos provoca um desconforto nos primeiros dias. Além disso, esse método não possui interferencia nas relações sexuais, na capacidade de ereção, no apetite sexual, nem na possibilidade de chegar ao clímax. 

Esse procedimento não protege o homem contra doenças sexualmente transmissíveis. Principalmente nos primeiros meses, é indicado o uso de um método contraceptivo adicional para evitar a gestação. Em caso de arrependimento, a reversão da vasectomia é um procedimento mais complexo, e trata-se de uma cirurgia pouco acessível financeiramente e que pode não ser 100% eficaz. Em situações raras, os vasos que foram cortados cirurgicamente podem voltar a crescer e ligando-se novamente, o que torna o homem fértil outra vez. 

 

Métodos naturais

São métodos contraceptivos que ajudam a prevenir a gravidez sem o uso de medicamentos ou instrumentos como camisinha ou DIU, por exemplo. Estes métodos baseiam-se em observações do corpo, ciclo menstrual da mulher para realizar estimativas de período fértil e interrupção do coito. Alguns dos métodos mais utilizados são: 

Tabelinha

O método sugere que a mulher evite relações sexuais durante seu período fértil. A tabelinha ou método do calendário, consiste em um cálculo do início e fim desse período. 

Deve-se levar em consideração as últimas 12 menstruações e subtrair 18 dias do ciclo mais curto e 11 dias do ciclo mais longo. Ou seja, para uma mulheres que possuem ciclos entre 28 a 30 dias deve-se evitar ter relações sexuais do dia 10 (28-18) até o dia 19 (30-11).

Coito interrompido

O coito interrompido trata-se da retirada do pênis da vagina no momento da ejaculação, com o objetivo do espermatozóide não entrar em contato com o óvulo. Mas o que muita gente não sabe é que mesmo durante as preliminares e antes de ejacular, a secreção liberada pelo pênis pode conter esperma e por mais que não ocorra a ejaculação na vagina, a gravidez pode ocorrer. 

Além disso, o homem precisa ter um certo autocontrole e para identificar o momento exato em que está prestes a ejacular ou atingir o orgasmo. Para a mulher, é necessário ter  muita confiança no parceiro para utilizar esse método.

Método do muco cervical

Esse método é baseado na observação do muco vaginal - secreção líquida que é produzida pelo colo do útero e que pode ser expelida através da vagina. Pode ter a cor transparente, branca ou levemente amarelada, sem odor, sendo uma secreção natural do corpo - Em caso de período fértil, o muco possui a aparência cristalina, semi transparente, sem odor, e elástica, semelhante à clara de ovo. 

A presença dessa secreção indica que a mulher está fértil e não deve ter relação sexual desde o primeiro dia do aparecimento e até três dias após da secreção parar de aparecer.  

Vantagens e desvantagens 

Esses métodos são completamente naturais e livres de hormônios ou substâncias que podem interferir no organismo. Porém, eles não são 100% eficazes e podem trazer riscos à saúde, já que não previnem contra doenças sexualmente transmissíveis ou infecções que podem ocorrer durante relações sexuais sem preservativo. 

Os cálculos apresentados como no método da tabelinha não são totalmente certeiros, e podem variar de acordo com o ciclo da mulher, se o ciclo é desregulado por exemplo, torna-se difícil manter o controle do período fertil consequentemente aumentando o risco de gravidez.

E isso vale para todos os outros métodos citados, todos demandam confiança no parceiro e uma análise certeira de datas e secreções presentes no ciclo da mulher.

 

MÉTODOS ANTICONCEPCIONAIS SÃO SEGUROS?

Métodos contraceptivos podem gerar problemas para a saúde da mulher a longo prazo, principalmente se o uso não for indicado por um médico. Por isso, é preciso uma análise sobre sua necessidade para que o método seja menos invasivo possível para o seu organismo.

É importante frisar que, nenhum método contraceptivo é 100% eficaz e que seu uso  traz sim benefícios a curto e médio prazo, mas seu uso prolongado pode trazer consequências a sua saúde.

Por isso, escolha bem o que colocar no seu corpo e sempre consulte um especialista para entender as melhores opções para o seu tipo de necessidade.

A DYÔ espera ter sanado suas duvidas sobre os malefícios dos anticoncepcionais.